Avessitude • Como assim, feminino?

Avessitude • Como assim, feminino?

Avessitude • Como assim, feminino? é  o texto de estreia de Cris Rosa em sua coluna semanal na Expedição CoMMúsica.

 

Sobre Cris Rosa:

Cris Rosa é cearense, nascida em 28/04/1981, graduada em Letras pela UFC e integrante do EscreViventes, Coletivo Feminista de Mulheres Escritoras. Faz pintura em tecido, quadros e mandalas. Escreve histórias em prosa e verso, fictícias ou não. É autora de contos publicados em Antologia de Concurso Literário, Revistas Literárias e Coletânea do Coletivo EscreViventes. Seus escritos expressam suas inquietações e impressões do dia a dia. Participa dos Clubes Lendo como uma escritora e Leituras Feministas de Fortaleza. Estreia como colunista do site Expedição com música.

Siga a autora no IG: @crisrosa33

Acompanhe a produção literária da autora em: https://linktr.ee/artesliteratura

 

 

Avessitude • Como assim, feminino?

Escolhendo o presente do aniversariante

Olá!! Saudações às Avessas!! Esta semana fui convidada para o aniversário de 11 anos de um sobrinho querido. Ao entrar na loja, a vendedora me ofereceu ajuda. Meu plano era presenteá-lo com um diário. Na falta, foram-me oferecidos planner. 

Ao folhear os diversos modelos tons de rosa, roxo e florais, encontrei um com a capa cheia de adjetivos em diversos idiomas, fonte vermelha e dourada, todos considerados femininos para presentear um menino. 

Como assim, feminino?

Mesmo no Século XXI, vivemos na pele esta dualidade de sexo, divididas entre coisas de menina e coisas de menino. Quando a sociedade humana é complexa, plural e diversa. 

A jovem trabalhadora foi atenta a algumas famílias religiosas terem essa visão conservadora sobre gênero.

Como exemplo rápido, a ex-ministra da Mulher, Damares Alves (Republicanos), no início do mandato do atual desGoverno, defendeu o uso da cor rosa para meninas e azul para meninos, reafirmando este ano e acrescentando: “A criança veste a cor que o pai e a mãe quiserem.”

Simone de Beauvoir, autora de “O segundo sexo”, referência feminista, lutava pela equidade dos sexos. Em 1949, dissertou logo no início da Introdução: “Hesitei muito tempo em escrever um livro sobre a mulher. O tema é irritante para as mulheres. E não é novo.” (Beauvoir,1949)

Porém, não foi resolvido. Nem dá mais para deixar para lá. 

Você poderia me dizer que estou muito desatualizada e fora do contexto sociocultural e político do Brasil, citando texto escrito na década de 1949 pela elite intelectual francesa. 

No entanto, em plenos 2022, entre diversos ambientes e tipos de pessoas, nas capitais de quaisquer cidades brasileiras, reforçam-se divisões de sexo por temas, cor, objetos, vestimentas, acessórios, profissões e papéis sociais. Enquanto o feminino deixa de ter valor diante o masculino, com o objetivo de oprimir e menosprezar. Por exemplo: questão dele é válida, e a dela é mimimi; salário do homem, maior que o da mulher na mesma função e cargo; ele é medido pela competência e ela pela elegância, “beleza”.

O Feminismo é para todas, todos e todes

Simone de Beauvoir, tinha nível de estudo formal avançado, pertenceu à elite, branca europeia, com questões e reivindicações diferentes das mulheres da classe trabalhadora, das mulheres pretas, das lésbicas, bissexuais, travestis, mulheres trans, enfim das diversidades de mulheres na luta feminista.

Ah!!! Encontrei o presente 

Em promoção, capa dura, tonalidade preta, com destaque para a expressão Now United, nome de uma banda americana juvenil com músicas sobre união e consciência ecossocial. 

Além de ter canções com temáticas inspiradoras, o grupo é formado por artistas de diversas culturas e nacionalidades, incluindo a brasileira Any Gabrielly, dubladora oficial da personagem Moana, representatividade para crianças indígenas e pretas.

Agora Unidas, Unidos e Unides

Por fim, esta dualidade, nem sempre foi categorizada com esta divisão dos sexos. Remete ao conceito do Mesmo e do Outro. Encontra-se nas sociedades primitivas e nas mais antigas mitologias, conforme os pares Sol/Lua, Dia/Noite, Luz/Sombra, “nenhum elemento feminino se acha implicado a princípio; nem tampouco na oposição do Bem e Mal, de Deus e Lúcifer;” (BEAUVOIR,1949)

E você, assim como eu, fica indignada, indignade, indignado com estas desigualdades que causam tanto sofrimento e violência? Faço o convite à Avessitude atitude de revirarmos do Avesso e discutirmos esse modelo de sociedade! Té mais.

 

 

Referência bibliográfica:

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Tradução Sérgio Milliet. 3.ed. RJ: Nova Fronteira, 2016.

4 thoughts on “Avessitude • Como assim, feminino?

  1. Leide Freitas says:

    Parabéns a revista por esse acréscimo de tão talentosa escritora. Adorei o texto.

    Responder
    1. Cris Rosa says:

      Você é uma grande escritora também, Leide. Vamos juntas!!

      Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Copyright © 2024 Expedição CoMMúsica Política de privacidade | Audioman Pro by Catch Themes
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com