Tamanho não é documento • A vingança é um prato

Tamanho não é documento • A vingança é um prato

Tamanho não é documento • A vingança é um prato é resenha de Monique Bonomini em sua coluna quinzenal na Expedição CoMMúsica.

 

 

Após o parto, o corpo da mulher se enche de um poderoso hormônio chamado ocitocina, apelidado, não à toa, de hormônio do amor. A ciência explica que ele é o responsável pela redução do sangramento após o parto e também por estimular a produção do leite materno, e não só isso, ele também está presente durante o orgasmo, modula a sensibilidade do organismo para o desconhecido e, por assim dizer, rompe barreiras que favorecem a formação de laços de afeto entre a mãe e o bebê, tudo lindo, não fosse ele um estratagema do corpo para a enganação, explico. 

Ao engravidar, entra em cena no corpo materno a gonadotrofina coriônica humana, carinhosamente chamada de HCG. Esse hormônio de nome complicado envia ao corpo os sintomas inicias da gestação, tais como sensibilidade nos seios, náuseas e fadiga, além de ser um termômetro da gordura, exigindo a reposição do estoque que vai alimentar o feto durante seu crescimento. Perceba como nosso corpo engana nosso cérebro, após nove meses de HCG circulando, nasce o bebê e tome ocitocina pra gestante esquecer, num passe de química, todo seu martírio. 

E que não digam que nem toda grávida, porque este é o caso de Laurinha, personagem central do conto, Os deliciosos instrumentos da vingança, de Miriam Mambrini, escritora carioca de, entre outras obras, O baile das feias. 

Laurinha está grávida de Marco, seu marido. Trata-se de uma gravidez inesperada, mas que provoca tanto entusiasmo em Marco que enseja um rearranjo no planejamento do casal. Só não contava Laurinha com o fato de que Marco seria tão insensível ao seu padecimento. Tomada por enjoo, sonolência e uma azia sem fim, seus dias são penosos, correm sem qualquer empatia do marido, que chega a repreendê-la diante de tanta queixa. 

Desolada diante do vai da valsa, Laurinha passa a nutrir um rancor pelo marido desalmado que, além de tudo, está cada vez mais ausente e some aos finais de semana sem sequer lhe dar satisfação, lhe pervertendo o juízo, é então que ela resolve: 

“Foi numa dessas noites que tomou a decisão: ia engravidá-lo. Seria até bem fácil. Ele morderia a isca direitinho e se deleitaria bastante, com certeza mais do que ela que, numa noite insossa de papai-mamãe, se vira naquela enrascada. Aí, queria ver se ainda teria disposição para ir a bares e se enganchar em mulheres ordinárias — porque nada lhe tirava da cabeça que havia mulher naquela história.” 

O banquete está servido, assistimos a uma Laurinha determinada a preencher o vazio que o marido sente diante da mulher transformada pela gravidez com muitas delícias, tantas que seu ventre logo começa a dilatar, lhe arrancando suspiros, não sabia ela se de prazer ou de dor pela gastrite, ao ponto que passam a disputar a lassidão do sofá, ambos cada vez mais rotundos, para o completo regozijo de Laurinha e dos leitores. 

A história encontra seu fim num corredor de hospital, mas para saber quem primeiro entrou em trabalho de parto você terá que ler este saboroso conto.  

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Copyright © 2024 Expedição CoMMúsica Política de privacidade | Audioman Pro by Catch Themes
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com